Bahia

Bahia recebe mais 222,5 mil doses de vacina contra Covid-19

De acordo com dados do Consórcio de Imprensa, a Bahia ocupa a terceira posição na lista dos estados que mais aplicou vacina contra a doença

Micael Levi
camera_alt Divulgação/Sesab

Pousou nesta quinta-feira (23/4), um avião contendo uma remessa de 222.500 doses da vacina contra o coronavírus na Bahia. De acordo com a Secretaria de Saúde do Estado (Sesab), os imunizantes são os produzidos pela Universidade de Oxford e a CoronaVac.

Com esta carga, o estado contabiliza 3.893.450 doses recebidas do Ministério da Saúde por parte do Plano Nacional e Imunizações (PNI). Assim que chegaram, os imunizantes foram enviados em aeronaves do Grupamento Aéreo da Polícia Militar e da Casa Militar do Governador e serão entregues para as cidades que administraram 85% ou mais das doses anteriores.

A decisão de fornecer doses apenas para os municípios que atendem esse critério foi aprovada Comissão Intergestores Bipartite (CIB), a mesma que aprovou o início da aplicação da vacina contra a doença em profissionais da educação. A CIB é uma instância deliberativa que envolve os secretários municipais de saúde e definem as etapas da imunização nas cidades baianas.

Serão alvo de vacinação com utilização dessa remessa, os idosos com idades acima de 60 anos, profissionais da Saúde, população quilombolas, pessoas com doença renal crônica em tratamento de hemodiálise, profissionais das forças de segurança e trabalhadores da educação com 55 anos ou mais. As cidades que já conseguiram vacina dos idosos, podem começar a aplicação em quem possui comorbidades.

De acordo com dados do Consórcio de Imprensa sobre o andamento da vacinação no país, a Bahia chegou a ocupar a terceira posição na lista dos estados que mais vacinaram contra a doença. Em uma postagem no Twitter, o secretário de Saúde da unidade da Federação, Fábio Vilas-Boas, comemorou a posição.

“Subimos do 5º para o 3º lugar no ranking de estados que mais vacinam. É isso aí: Se o governo federal mandar as doses sem interrupções, a Bahia de ⁦Rui Costa sabe o ritmo certo de vacinar seu povo.”, escreveu Vilas-Boas.

Importação da Sputnik V

Além das doses da Fundação Oswaldo Cruz, que faz representação da vacina de Oxford no Brasil, e a vacina CoronaVac, produzida pelo Instituto Butantan, a Bahia espera a autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para a importação de mais de 9,7 milhões de doses da Sputnik V.

A vacina russa do Laboratório Gamaleya, durante os testes clínicos mostrou forte eficácia contra o coronavírus, está enfrentando embate por parte da Anvisa que por ainda não analisar não concedeu o aval a Bahia, assim como outros estados do Nordeste, para importar doses do imunizante.

No dia 13 de abril, o ministro Ricardo Lewandowski do Supremo Tribunal Federal (STF) deu um prazo de até o final de abril para a agência reguladora analisar o pedido de doses da Sputnik V. Lewandowski elaborou a decisão em uma ação protocolada pelo governo do Maranhão, comandando por Flávio Dino (PCdoB).

A Anvisa fez um pedido para que a decisão do ministro da Corte fosse suspensa alegando que faltam ser juntados ao processo de compra os dados que mostram a qualidade, eficácia e segurança. É o laboratório União Química que representa a vacina da Rússia no Brasil.