Pagamentos indevidos

Mais de 1.300 mortos ‘receberam’ auxílio emergencial na Bahia, aponta TCU

Os pagamentos geraram prejuízos de R$ 888 mil aos cofres públicos

Micael Levi

Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Uma auditoria feita pelo Tribunal de Contas da União (TCU) aponta que 1.358 pessoas mortas receberam o auxílio emergencial. O relatório foi divulgado nesta quinta-feira (02/07).

De acordo com o G1, os pagamentos indevidos geraram prejuízos de R$ 888 mil aos cofres públicos, e caso não sejam interrompidos serão aumentados.

O TCU identificou também que 39.636 pessoas na Bahia recebem o auxílio indevidamente. Entre as irregularidades estão: beneficiários do INSS; beneficiários emergenciais; servidores e pensionistas municipais, estaduais e federais; pessoas que estão recebendo seguro desemprego; pessoas que estão recebendo auxílio reclusão; CPFs com falha na identificação; pessoas que recebem múltiplos auxílios emergenciais; pessoas com renda além do limite, além dos falecidos e CPFs cancelados.

Todos esses benefícios concedidos irregularmente geraram prejuízo de quase R$ 26,4 milhões.