PUBLICIDADE
Bahia

Médico testa positivo para Covid-19 depois de 2ª dose da vacina

O médico cumpre isolamento domiciliar, com os sintomas e tem 25% do seu pulmões comprometido.

Jornal do Sisal
camera_alt

O médico Laudenor Lemos Jr, de 37 anos, que coordena a UTI (Unidade de Tratamento Intensiva) do Hospital Regional Vicentina Goulart, em Jacobina, testou positivo para a Covid-19 depois da segunda dose da vacina ser administrada.

O imunizante nele administrado é Coronavac, produzida por um laboratório chinês em parceria com a Fundação Butantã, que precisa de duas doses para mostrar a eficácia mostradas nos testes clínicos.

O médico cumpre isolamento domiciliar, com os sintomas e tem 25% do seu pulmões comprometido. Ele fez o teste na última terça-feira (16/3), há exatos 30 dias da última dose da vacina, confirmando a infecção.

PUBLICIDADE

“Lidamos com uma doença incerta, mutante e ignorada. Qualquer um de nós pode ter. Para todos os que pensam estar livres desse risco, vocês estão errados. Vacina é o melhor caminho, mas precisa ser em toda a população. Uma vacina em um único indivíduo, por supostamente melhor que pareça, não protegem ninguém. Só assim, conseguiremos diminuir a quantidade de casos circulantes e as tantas e tantas mutações que tem acontecido”, disse o cardiologista.

Ele conta que se exemplo é muito diferente da população em geral, pois trabalha na linha de frente do combate ao vírus. “Lidamos com os casos mais graves de toda a região, tratamos dos enfermos com a maior carga viral e, mesmo com paramentação, o nosso risco é muito elevado. É nosso trabalho”, disse ele.

  • Notícias sobre