Brasil

Bolsonaro afirma que Brasil depende do Bolsa Família por não ter qualificação profissional

O governo do presidente apresentou recentemente melhorias no programa criado pelo PT e renomeado de Auxílio Brasil.

camera_alt Pablo Jacob/Agência O Globo

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou nesta quarta-feira (27/8), em entrevista ao programa TV A Crítica, afiliada da RedeTV! no Amazonas, que o Brasil precisa de um programa de assistência social como o Bolsa Família porque o brasileiro não tem qualificação profissional.

“Não tem como tirar o Bolsa Família do pessoal, como alguns querem. São 17 milhões que não têm como ir mais para o mercado de trabalho, com todo o respeito não sabem fazer quase nada. O que a juventude aprendeu com 14 anos do PT, tendo o ministro Haddad lá na Educação?”, disse o presidente em entrevista ao apresentador Sikêra Júnior.

O governo do presidente apresentou recentemente melhorias no programa criado pelo PT e renomeado de Auxílio Brasil. O benefício é destinado para famílias carentes, mesmo do Bolsa Família, e vai até R$ 400. Segundo o presidente, para o Auxílio Brasil chegar a esse valor, depende do Congresso para aprovar a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) dos Precatórios.

Bolsonaro ainda chamou atenção para os dados do exame do Programa Nacional de Avaliação de Estudantes (Pisa), que colocou o Brasil nas últimas posições.

De acordo com uma pesquisa elaborada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), 50% das empresas do Brasil encontram dificuldades na contratação pela falta de profissionais qualificados. A pesquisa foi feita em fevereiro de 2021.

De acordo com o IBGE, na pandemia o país entrou na faixa de 14,3 milhões de desempregados, e segundo dados do instituto, com alguma recuperação econômica, as corporações se veem em um cenário complicado.

Na entrevista com Sikêra, Bolsonaro ainda afirmou que a maioria não sabe fazer contas básicas, como 7 x 8. Um estudo realizado pela União Geral dos Trabalhadores (UGT) afirma a fala dele.

O estudo revelou que pelo menos 60% das 11,8 mil vagas ofertadas nos mutirões de emprego em grandes empresas, no ano de 2019, não foram preenchidas. Entre os motivos, a pesquisa destaca dificuldade de expressão, problemas com contas matemáticas, falta de conhecimentos básicos em informática, falta de inglês e poucos anos de estudo.