Brasil

Bolsonaro: “Quem acabou com o emprego não fui eu. Foi quem fechou o comércio”

O mandatário se manteve contra as restrições impostas por alguns governantes estaduais

Micael Levi
camera_alt Isac Nóbrega/PR

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) voltou a criticar o que chama de “política de fecha tudo” as medidas adotadas por alguns governadores que fecham o comércio como forma de evitar a proliferação do coronavírus.

Durante o encontro com apoiadores no Palácio da Alvorada que aconteceu nesta terça-feira (20/4), o mandatário brasileiro se manteve contras as restrições quando ouviu de um apoiador afirmando que o tempo “em que a esquerda ficou no poder” acabou com o emprego e que as pessoas não tem qualificação.

“Quem acabou com o emprego não fui eu. Foi quem fechou o comércio. […] Concordo contigo [que os profissionais não têm qualificação]. Não é só qualificação, o ensino sempre é de qualidade bastante ruim no Brasil. Mas você não resolve, de um ano para outro, a mudança da qualidade do ensino”, respondeu o presidente.

Bolsonaro ainda anunciou que em breve divulgará um estudo da Universidade de Stanford sobre o uso de máscara, mas não entrou em detalhes sobre o assunto.

Recentemente ele citou um estudo de uma “universidade alemã” que mostra que o uso de máscara em crianças são prejudiciais. Mas nenhuma das universidades da Alemanha publicou um estudo em relação ao uso de máscara e sim uma enquete on-line elaborada pela Universidade de Witten/Herdecke, no Renânia do Norte-Vestfália, estado alemão.

Com os questionários, pesquisadores tinham como objetivo formar um banco de dados para coletar relatos sobre o uso do equipamento de proteção nos menores. No entanto, a enquete, que tinha pouco rigor científico, colaborou muito para uma coletânea de anedotas.