PUBLICIDADE
Brasil

Butantan anuncia desenvolvimento de vacina contra a Covid-19 100% brasileira

No mesmo dia, o ministro Marcos Pontes informou que fez um pedido a Anvisa para testes de uma vacina financiada pelo governo federal

Micael Levi
camera_alt Governo de São Paulo

O Instituto Butantan anunciou nesta sexta-feira (26/3), o desenvolvimento de uma vacina contra a doença respiratória covid-19. Caso apresente eficácia, esta será a primeira vacina brasileira contra o coronavírus causador da doença.

De acordo com o diretor do instituto, Dimas Covas, a vacina chamada Butanvac será produzida em território brasileiro sem a necessidade de exportação do Insumo Farmacêutico Ativo (IFA). De acordo com o governo de São Paulo, os testes realizados em animais foram “promissores”.

A confecção do composto já foi finalizada e segue para a aplicação dos testes em humanos, que podem mostrar se a vacina é eficaz contra a doença respiratória.

PUBLICIDADE

Para a produção do imunizante, o Butantan deverá usar a fábrica de vacinas contra a gripe, a partir do cultivo de cepas em ovos de galinha, que gera doses de vacinas inativadas, feitas com fragmentos de vírus mortos.

A Butanvac faz parte de um consórcio internacional onde o Instituto Butantan é o principal produtor, com 85% da capacidade total. As doses serão disponibilizadas para o Brasil e para os países de baixa renda.

Ainda de acordo com Dimas Covas, os testes em humanos no Brasil deverá ser feito em abril, porém aguarda a aprovação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

O Butantan fornece ao Ministério da Saúde doses da vacina Coronavac, produzida pelo laboratório chinês Sinovac em parceria com o instituto ligado ao governo paulista. É um dos principais fornecedor da pasta, além da produzida pela AstraZeneca junto a Universidade de Oxford, sob responsabilidade da Fundação Oswaldo Cruz (FioCruz) no Brasil.

Vacina do governo Bolsonaro

O ministro Marcos Pontos (Ciência e Tecnologia) informou que foi feito um pedido para teste de uma vacina financiada pelo governo federal. De acordo com ele, o pedido foi feito à Anvisa na última quinta-feira (25/3).

A afirmação foi feita durante uma coletiva no Palácio do Planalto, onde ele exibiu o protocolo e o material de divulgação. O imunizante recebeu o nome de Versamune®️-CoV-2FC.

Ministro Marcos Pontes – Alan Santos/PR

Pontes informou que a vacina é desenvolvida com o professor Célio Lopes em Ribeirão Preto, na Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto e a equipe do professor. O desenvolvimento é feito em parceria com as empresas Farmacore Biotecnologia e a PDS Biotechnology Corporation.

De acordo com o ministério, o governo federal destinou R$ 200 milhões para o financiamento de estudos clínicos para o desenvolvimento de vacinas nacionais.