Brasil

Depois de derrota no STJ, Witzel afirma que é inocente: “Não recebi qualquer valor desviado”

Ele reafirmou inocência e que nunca recebeu dinheiro desviado da Saúde, sobre o que ele é acusado.

Micael Levi
camera_alt José Cruz/Agência Brasil

O governador afastado do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), se manifestou sobre a decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ), que nesta quarta-feira (02/9), que confirmou a liminar do ministro Benedito Gonçalves, determinação do afastamento dele do governo.

“Respeito a decisão do Superior Tribunal de Justiça. Compreendo a conduta dos magistrados diante da gravidade dos fatos apresentados. Mas, reafirmo que jamais cometi atos ilícitos”, escreveu Witzel no Twitter.

Ele reafirmou inocência e que nunca recebeu dinheiro desviado da Saúde, sobre o que ele é acusado. “Não recebi qualquer valor desviado dos cofres públicos, o que foi comprovado na busca e apreensão. Continuarei trabalhando na minha defesa para demonstrar a verdade e tenho plena confiança em um julgamento justo”, escreveu.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Ao final, Witzel desejou sorte no governo do vice Cláudio Castro (PSC), com “serenidade para conduzir os trabalhos que iniciamos juntos”, escreveu.

“Desejo ao governador em exercício, Cláudio Castro, serenidade para conduzir os trabalhos que iniciamos juntos e que possibilitaram devolver ao povo fluminense a segurança nas ruas e, com isso, a esperança em um futuro melhor”, finalizou.

Determinação do afastamento

No julgamento que aconteceu nesta quarta, o STJ decidiu manter Witzel afastado do governo do Rio por suspeita de desvios na saúde.

No início, a defesa de Witzel pediu para que o julgamento ocorresse sob sigilo, mas o relator do caso, ministro Benedito Gonçalves, negou a petição.

“Perante a Constituição, esse julgamento seria público. Então, eu voto pela publicização”, disse. Foram 10 votos a favor e 1 contra, do ministro Napoleão Nunes Maia.

Gonçalves determinou o afastamento do governador. A Procuradoria-Geral da República (PGR), pedia a prisão de Wilson, mas o relator negou o pedido e determinou o afastamento.