Economia

FGTS vai virar garantia para novo consignado

Trabalhadores poderão antecipar o saque-aniversário do Fundo; regulamentação deve ser concluída dentro de dois meses

Jornal do Sisal
Daniel Ferreira/Metrópoles

Por Da Redação

O governo federal estuda permitir a antecipação do saque-aniversário do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) com crédito consignado e, portanto, mais barato. A taxa de juros deve ficar perto de 2% ao mês.

Com isso, o valor dos resgates anuais seria dado como garantia. A proposta é que o consignado do FGTS funcione como a antecipação do Imposto de Renda (IR) ou do 13º salário, ofertada pelos bancos hoje em dia.

O secretário de Política Econômica do Ministério da Economia, Adolfo Sachsida, espera que o novo produto provoque “um pulo” no crédito consignado. O potencial imediato é de R$ 11 bilhões em empréstimos.

Atualmente, mais de 2,2 milhões de trabalhadores aderiram ao saque-aniversário.

A diferença é que os trabalhadores poderão antecipar os saques de FGTS previstos para dois anos ou até mais tempo — neste caso, sujeito a uma taxa de juros um pouco maior.

“A pessoa que quiser pegar por dois anos tem a melhor garantia do mercado, então a taxa [de juros] vai ser baixinha”, afirmou o secretário.

A previsão é concluir a proposta em dois meses. Sachsida explicou que a demora na regulamentação se deve à complexidade de algumas das modalidades em elaboração.

O secretário afirma que há ideias para fazer com que o consignado do FGTS sirva de garantia para a dívida do cartão de crédito.

(Com informações da Agência Estado)