Educação

Ministério da Educação contrata empresa alvo da PF para fornecer material escolar

O dono da Brink Mobil, Valdemar Ábila, foi preso preventivamente pela PF na Operação Calvário em dezembro de 2019.

Jornal do Sisal
Marcos Oliveira/Agência Senado

Por Jornal do Sisal

O Ministério da Educação (MEC) contratou uma empresa investigada pela Polícia Federal (PF) por está envolvida em um esquema de desvio de dinheiro público na Paraíba. As informações foi publicada no jornal “O Estado de S. Paulo” nesta sexta-feira (06/03/2020).

Segundo a reportagem, O FNDE (Fundo Nacional do Desenvolvimento da Educação) abriu uma licitação em 2018 para adquirir material escolar para alunos da rede pública. O FNDE é um órgão vinculado ao MEC. Segundo o G1, a empresa Brink Mobil foi escolhida como fornecedora dos produtos. O dono da Brink Mobil, Valdemar Ábila, foi preso preventivamente pela PF na Operação Calvário em dezembro de 2019.

Ainda de acordo com a reportagem, a operação investiga o desvio de R$ 134,2 milhões de serviços de saúde e educação do governo da Paraíba. No início deste ano, Ábila foi denunciado pelo Ministério Público da Paraíba por organização criminosa. O empresário, de acordo com a denúncia, faz parte do núcleo econômico da quadrilha.

A contratação da Brink Mobil foi feita usando a chamada ata de registro de preços, modalidade em que o Ministério da Educação recebe propostas de várias empresas e determina o que cada uma pode vender, e por qual preço.

Em uma rede social, o ministro da Educação, Abraham Weintraub, escreveu nesta sexta-feira que Brink Mobil não foi condenada pela Justiça e que ele estaria cometendo um crime se impedisse a empresa de participar da disputa.

“A empresa ganhou a licitação e não estava condenada, não tenho como excluí-la (eu estaria cometendo um crime)”, disse o ministro.

A empresa Brink Mobil não respondeu as tentativas de contato da reportagem. Com informações do Estado de S. Paulo.