Mundo

Rússia: Pandemia pode ter afetado estado mental de Putin, diz inteligência americana

Segundo os elementos das forças secretas norte-americanas, Vladimir Putin tende a agravar uma situação quando se sente encurralado pelos seus próprios excessos

camera_alt Sputnik/Aleksey Nikolskyi/Kremlin via REUTERS

A comunidade de inteligência dos EUA estudam o comportamento do presidente da Rússia, Vladimir Putin, e apontam que seu estado mental pode ter sido afetado pelo longo isolamento social provocado pela pandemia de coronavírus. As forças do serviço secreto norte-americano passaram a tratar os estudos como prioridade.

Isolado em sua propriedade em Moscou, Putin adotou medidas de prevenção que causa inveja em qualquer chefe de Estado. Ele não recebia amigos internacionais pessoalmente pois todo o contato era feito por videoconferência, até mesmo os funcionários do Kremlin não mantinha contato pessoal.

Depois das vacinas, Putin recebe funcionários do governo, vai a encontros e recebe líderes mundiais, mas somente em sua mesa de 6 metros para a manutenção do distanciamento social.

Além do isolamento social ser a causa da provável alteração do estado mental do chefe de Estado, há também um certo de tipo de ansiedade em deixar um legado já que está no poder desde 1999.

Segundo os elementos das forças secretas norte-americanas, Vladimir Putin tende a agravar uma situação quando se sente encurralado pelos seus próprios excessos, descrevendo uma série de cenários e possíveis reações – que variam desde o bombardeamento indiscriminado de cidades ucranianas, para compensar erros iniciais do seu exército, a ciberataques dirigidos ao sistema financeiro norte-americano, ou mais ameaças nucleares e, talvez, movimentos no sentido de levar a invasão além das fronteiras da Ucrânia.

Desde o começo com a guerra com a Ucrânia, os bombardeios russos foram responsáveis pelas mortes de mais de 2 mil civis, incluindo crianças. Segundo a ONU, há mais de 1,2 milhão de refugiados.

A Rússia e o governo de Vladimir Putin sofre sanções comerciais que visa isolar Moscou.