Política

‘Leite condensado não se mistura com mortadela’, diz Eduardo Bolsonaro

Filho do presidente se pronunciou sobre o assunto em série de publicações no Twitter

Da Redação
camera_alt Cleia Viana/Câmara dos Deputados

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) se pronunciou sobre a polêmica envolvendo o governo federal, que gastou em 2020 R$ 15,6 milhões com leite condensado. Ele fez uma séries de publicações no Twitter sobre o assunto nesta quarta-feira (27/1).

Segundo ele, o Ministério da Defesa é responsável por 91% dos gastos, o que corresponde a R$ 14,2 milhões em leites condensados. “Ora, o MD abriga as Forças Armadas e seu efetivo de 334.000 homens e mulheres do serviço ativo”, começou o parlamentar.

“Com este valor poderia-se comprar pouco mais de 6.500 latas de leite condensado por dia, algo bem razoável para uma tropa de 334.000 militares. Vide ainda que o item é um produto calórico indicado a quem faz muitas atividades físicas e serve de base para a elaboração de vários outros alimentos comuns a mesa dos brasileiros como bolos”, escreveu.

Ele ainda ironizou a polêmica ao afirmar que “leite condensado não se mistura com pão com mortadela”. Segundo ele, a informação é mais uma investida da esquerda para desgastar a imagem do presidente Jair Bolsonaro e seu governo.

Um levantamento feito pelo portal “Metrópoles” mostra os gastos do governo federal que totalizam R$ 1,8 bilhões. De acordo com o levantamento dos dados do Painel de Compras, do Ministério da Economia, mais de R$ 17 milhões foram gastos somente em goma de mascar e leite condensado.