Política

Lula diz que Brasil “piorou muito” desde que PT deixou a presidência

As críticas de Lula vem sem citar os efeitos da pandemia de coronavírus no Brasil, que completou um ano e apresentou maiores números nos últimos meses.

Micael Levi
camera_alt Silvia Zamboni/Valor

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou que o Brasil “piorou muito” desde que o Partido dos Trabalhadores (PT) deixou a Presidência da República com o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff em 2016. A afirmação foi feita durante sua entrevista à rádio O Povo CBN.

“Eu nunca vi tanta fome como eu estou vendo agora em São Paulo, na periferia e no centro de São Paulo. No centro de Fortaleza, no interior do Ceará e no Interior de Pernambuco porque há um desrespeito total com o pobre neste país”, disse Lula.

“Me parece que as pessoas têm ódio quando o pobre sobe um degrau na ascensão social neste país. Eu fico muito irritado porque nós tínhamos acabado com a fome, a ONU reconheceu, e bastou derrubar a Dilma para ‘melhorar o Brasil’, segundo nossos adversários”, completou.

As críticas de Lula vem sem citar os efeitos da pandemia de coronavírus no Brasil, que completou um ano e apresentou maiores números nos últimos meses.

Dados do Pnad 2017-2018 (Programa Nacional por Amostra de Domicílios), 37,7% dos brasileiros estavam com algum grau de insegurança alimentar, sendo que destes, 4,6% estão na categoria grave, ou seja, passam fome. Esses dados lançou luz na fome que a população brasileira vivencia.

Um estudo feito pelo Grupo de Pesquisa Alimento para a Justiça: Poder, Política e Desigualdade Alimentares na Bioeconomia, com sede na Universidade Livre de Berlim, mostra que 59,3% dos brasileiros não tiveram alimentação adequada desde o início da pandemia. O grupo realizou a pesquisa “Efeitos da pandemia na alimentação e na situação alimentar no Brasil”.

Uma outra pesquisa realizada pelo Instituto Pessan (Rede Brasileira em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional), expõe que 116,8 milhões de pessoas conviveram com algum grau de insegurança alimentar nos últimos três meses de 2020.

Os dados mostram que os beneficiários do Bolsa Família foram um públicos mais afetados, com 88,2% enfrentando os maioria níveis de segurança alimentar. Também mesmo quem recebeu o auxílio emergencial vive com algum grau de insegurança alimentar.

Ainda segundo as pesquisas, 44% dos brasileiros deixaram de comer carne durante a pandemia e 41% reduziram o consumo de frutas. Hortaliças e legumes são 37%.

Críticas a Bolsonaro

Segundo o ex-presidente petista, o presidente Jair Bolsoanaro (sem partido) faz “tudo diferente daquilo que a ciência brasileira está pedindo”.

“Os governadores do Nordeste são exemplos de quem Bolsonaro não devia ter raiva. Bolsonaro deveria chamar estes companheiros e falar: ‘como é que vocês fizeram? Me ensinem como é que se faz, porque eu não sei conversar. Eu não sei conviver com quem é contrário”, disse Lula.

O PT, partido que Lula é garoto-propaganda, planeja um “superpedido” de impeachment contra Bolsonaro. O pedido reunirá todos os pedidos já feitos por diferentes partidos e parlamentares. A decisão foi tomada em uma reunião com partidos que fazem oposição ao governo federal: PSOL, PT, PCdoB, PDT, PSB, Rede, UP, PV e Cidadania.

Julgamento

O Supremo Tribunal Federal (STF) decide nesta quinta-feira (15/4), a decisão do ministro Edson Fachin de anular todas as condenações de Lula na Lava Jato. Caso seja mantida a decisão de Fachin, Lula poderá se candidatar ao cargo de presidente nas eleições de 2022.

No julgamento da quarta, a defesa do petista pediu para que a Segunda Turma julgasse o recurso da PGR (Procuradoria-Geral da República) contra Lula. O placar foi de 9 a 2, com apenas Ricardo Lewandowski e Marco Aurélio Mello votando diferente da maioria, a decisão foi de permanecer o julgamento na Corte.

Os 11 ministros do STF julga um recurso apresentado pela PGR contra a decisão de Fachin, que se for mantida, as duas condenações contra o ex-presidente – sítio de Atibaia e tríplex do Guarujá – continuarão anuladas.