PUBLICIDADE
Política

Médica Ludhmila Hajjar recusa convite para assumir Ministério da Saúde

A cardiologista afirmou que defende o lockdown e possui divergências com Bolsonaro, como a adoção do ‘kit covid’

Jornal do Sisal
camera_alt Sérgio Lima/Poder360

A cardiologista Ludhmila Hajjar recusou o convite de assumir o Ministério da Saúde feito pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Ela alegou motivações “técnicas” e afirmou ter divergências com o chefe do Executivo federal, como a adoção do ‘kit covid’, que inclui a cloroquina.

Hajjar afirmou que defende o lockdown. “Assuntos como cloroquina, como se acredito em lockdown, são secundários, não deveriam estar sendo discutidos. Lockdown é demonstrado cientificamente que salva vidas”, disse Hajjar à CNN Brasil.

O nome da cardiologista apareceu depois de conversas que o general Eduardo Pazuello deixaria o cargo por problemas de saúde. Hajjar recebeu o apoio do presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL).

PUBLICIDADE

Ainda é contado para assumir a pasta, o deputado Dr. Luizinho (PP-RJ), aliado de Lira, e o médico Marcelo Queiroga, presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC).