Saúde

Canabidiol, derivado da maconha, pode ajudar no tratamento da Covid-19, diz pesquisa

O laboratório usou roedores com síndrome respiratória aguda grave (Sars), que provocada por um vírus semelhante com o coronavírus.

Micael Levi
camera_alt Cannabis – Pexels

Um estudo feito pelo grupo da Augusta University, nos Estados Unidos, que aplica canabidiol (CDB), derivado da maconha, nos ratos infectados por uma doença parecida com a provocada pelo coronavírus, apresentou bons resultados. Os animais não reagem a doença como os humanos.

O laboratório usou roedores com síndrome respiratória aguda grave (Sars), que provocada por um vírus semelhante com o coronavírus. O derivado da cannabis conseguiu diminuir a “tempestade de citocina”, o chamado efeito colateral criado pela defesa imunológica do corpo, que causa inflamação nos órgãos, oxigenação no sangue  e consequências pulmonares.

“Os sintomas foram totalmente ou parcialmente revertidos, e retomaram os níveis normais após o tratamento com CBD”, escrevem os autores. Os responsáveis pela pesquisa também observou uma grande quantidade de linfócitos, células que combatem infecções no corpo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“As informações sustentam a noção de que o CBD pode reduzir a tempestade inflamatória e os efeitos de uma inflamação exagerada. Considerando todos os efeitos do CBD no corpo e como ele se distribui, é plausível que ele possa ser um candidato a tratar várias condições inflamatórias, entre elas a Covid-19 e outros vírus que causam Sars”, garantem os responsáveis pela pesquisa.

Os pesquisadores pretendem avançar na doença, querendo testar a substância em humanos para descobrir se o derivado da maconha é contra a Covid-19.