Saúde

Novo mosquito da malária invade cidades africanas e gera alerta entre cientistas

Pesquisadores temem que os mosquitos originários da Índia se espalhem pelas áreas urbanas do continente

Jornal do Sisal
camera_alt Reprodução

Um novo mosquito da malária está surgindo nas cidades africanas, com consequências potencialmente devastadoras para aqueles que vivem lá, de acordo com um novo estudo.

As larvas de Anopheles stephensi – o principal mosquito vetor da malária na Índia – estão agora “abundantemente presentes” em locais por toda a África, disseram pesquisadores do Centro Médico da Universidade Radboud da Holanda e do Instituto de Pesquisa Armauer Hansen da Etiópia. Vetores são organismos vivos que podem transmitir patógenos infecciosos entre humanos ou de animais para pessoas.

Essa espécie de mosquito só apareceu na África há alguns anos. Agora, este inseto invasor está “abundantemente presente” em recipientes de água em cidades da Etiópia – e altamente suscetível a cepas locais de malária, disseram os pesquisadores. As informações são da CNN Brasil.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A maioria dos mosquitos africanos que podem transmitir a malária se reproduz em áreas rurais. No entanto, os especialistas já estavam preocupados que este mosquito em particular tenha encontrado um ponto de apoio em áreas urbanas, incluindo cidades na Etiópia, Sudão e Djibouti, que os pesquisadores disseram que pode aumentar o risco de malária para as populações urbanas.

A malária, que é transmitida pela picada da fêmea do mosquito Anopheles, é uma doença evitável e tratável – mas 409.000 pessoas morreram por conta dela em 2019. A região africana foi o lar de 94% de todos os casos e mortes de malária em 2019, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS).

Os pesquisadores estudaram se os mosquitos representariam um risco para a saúde ao espalhar parasitas locais da malária.

“Para nossa surpresa, o mosquito asiático revelou-se ainda mais suscetível aos parasitas locais da malária do que nossa colônia de mosquitos da Etiópia. Esse mosquito parece ser um propagador extremamente eficiente das duas principais espécies de malária”, disse Teun Bousema, professor de epidemiologia de doenças infecciosas tropicais no Radboud University Medical Center em Nijmegen, em um comunicado.

Os pesquisadores alertaram que medidas rápidas devem ser tomadas para impedir a propagação dos mosquitos para outras áreas urbanas do continente africano em um estudo publicado na revista Emerging Infectious Diseases na quarta-feira.

“Devemos ter como alvo as larvas do mosquito em locais onde agora ocorrem e evitar que os mosquitos se espalhem por longas distâncias, por exemplo, através de aeroportos e portos marítimos. Se isso falhar, o risco de malária urbana aumentará em grandes partes da África”, autor do estudo Fitsam Tadesse, estudante de doutorado no departamento de microbiologia médica do Radboud University Medical Center, disse.

As descobertas do estudo foram “significativas”, disse Jo Lines, professora de controle da malária e biologia vetorial da London School of Hygiene and Tropical Medicine.

“Quando essas coisas chegam pela primeira vez, as pessoas pensam ‘é apenas um mosquito, e vamos nos preocupar com isso quando for um vetor’”, disse Lines, que não participou do estudo, à CNN.

“O que quero dizer é que você pode se livrar dele (o problema) quando for novo, se esperar até que esteja bem estabelecido, para perceber que está realmente causando surtos de doenças. Desculpe, então é tarde demais. Tudo o que você pode fazer é gerenciar o problema”, acrescentou.

  • Notícias sobre