Saúde

Vacina produzida pela Oxford é segura e tem 70% de eficácia

Os dados foram analisados de quatro testes da fase 3 com 23.745 espalhados no Reino Unido, Brasil e África do Sul.

Micael Levi
camera_alt REUTERS/Dado Ruvic

Por Micael Levi / Everton Lopes Batista / Folha de S.Paulo

Um artigo publicado nesta terça-feira (8/12), na revista cientifica The Lancet, mostra que a vacina produzida pela farmacêutica AstraZeneca junto com a Universidade de Oxford mostrou bons resultados.

Segundo a publicação, o imunizante é seguro e mostrou 70% de eficácia, sendo o primeiro a ter bons resultados na fase 3 a ser publicado em uma revista científica.

Em análise, a eficácia da vacina é baixa em relação ao da Pfizer, que mostrou 95% de confiança, como também o da Moderna (94,5%). Os dados foram analisados de quatro testes da fase 3 com 23.745 espalhados no Reino Unido, Brasil e África do Sul. Cerca de 80% dos pacientes tinham idades entre 18 e 55 anos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

De acordo com o renomado periódico, os participantes foram divididos em dois grupos com a mesma quantidade. Enquanto um grupo recebeu a vacina o outro recebeu um placebo, sem efeito contra o vírus Sars-Cov-2. A distribuição foi aleatória.

Leia mais: Idosa de 90 anos é a primeira do Reino Unido a tomar vacina contra a Covid-19

A vacina teve maior eficácia em jovens, com idades abaixo dos 55 anos. Segundo os pesquisadores, dados de pessoas com 56 anos ou mais devem ser analisados no futuro. A vacinação foi feita em duas doses em intervalos variados. Somente casos de Covid-19 registrados 14 dias depois da vacinação foram considerados no estudo.

No dia 23 de novembro a AstraZeneca divulgou os resultados preliminares, que agora se confirmam com o estudo na The Lancet. Ao aplicar apenas meia dose em um subgrupo suspeitas foram levantadas entre médicos, prática incomum em estudos com vacina.