Tecnologia

Ambev fecha parceria com empresa para realizar delivery via drone

Os testes serão feitos com um veículo que suporta 8 kg de carga.

Da Redação
camera_alt Divulgação

A Ambev fechou uma parceria com a empresa brasileira de drones Speedbird Aero com intuito de testes de entrega de bebidas via drones. A tecnologia pretende impactar o mercado de delivery.

Os testes serão feitos com o veículo DLV2, que suporta 8 kg de carga. Após a certificação pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), ele deverá operar em rotas pré-definidas. A cidade escolhida para a realização dos testes ainda está em fase de escolha.

A empresa dos equipamentos é sediada em Franca (SP) e foi fundada pelo administrador Manoel Coelho e pelo engenheiro Samuel Salomão. Os sócios estudaram sobre a tecnologia nos Estados Unidos e resolveram criar uma empresa no Brasil de deliveries por meio de Veículos Voadores Não Tripulados (Vant).

Começando a atuar em 2018, em 2021 tinham três funcionários e logo se expandiram para 24. “Voltamos para o Brasil porque os Estados Unidos estão fechados para mercado de drones, por receio de terrorismo”, diz Manoel Coelho.

“O sistema de coordenadas para localização na superfície da terra está acontecendo no mundo inteiro e o Brasil é o terceiro maior produtor de aeronaves do mundo, depois de EUA e Europa”, diz ele.

Outra parceria firmada recentemente é para a utilização exclusiva da cobertura da operadora Claro, nos espectros de 4G, 4.5G e 5G DSS — uma alternativa ao 5G que está em fase de testes até a realização do leilão pelo governo. Tanto com a Claro quanto com a Ambev, o trabalho conjunto consiste em cooperação na área de pesquisa e desenvolvimento. Por ora, a Speedbird possui certificação experimental da Anac, mas tem a expectativa de conseguir as certificações plenas em agosto, o que permitirá a assinatura de contratos comerciais.

Além de pretender ser a primeira empresa de telecomunicações com drones de cargas aprovados, a Claro pretende num futuro próximo utilizar o serviço para o transporte de mercadoria de centros de logística às lojas e, mais para frente, visa oferecer o serviço de delivery para seus clientes. Para isso, já desenvolveu um Sim-Card para utilização própria em drone.

O maior desafio para o sistema operar consiste na velocidade da conectividade. Por se tratar de transferência simultânea de inúmeros dados relativos à imagem e geolocalização, a efetividade das entregas por drones depende principalmente da consolidação do 5G. Com informações da Veja.