PUBLICIDADE
Tecnologia

Rede social toma decisão sobre quem compartilhar notícias falsas sobre Covid-19

As regras são inspiradas no sistema contra a desinformação eleitoral, que levou o Twitter a banir o ex-Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump

Jornal do Sisal
camera_alt Divulgação/Twitte

A pandemia de coronavírus tem gerado bastante assunto falsos e retirados de contexto para gerar desinformação. As chamadas ‘fake news’ tem ganhado força no Brasil últimamente principalmente nas redes sociais.

Com o aumento desse crime, o Twitter anunciou nesta segunda-feira (1/3), que quem compartilhar conteúdo falso na rede social mais de cinco vezes será banido. Desde dezembro do ano passado o Twitter passou a remover tweets com fake news sobre a vacinação da Covid-19, mas não punia os autores das postagens.

Foram retirados mais de 8.400 publicações e notificaram cerca de 11,5 milhões de contas em todo o mundo. Agora, a partir do segundo aviso, os utilizadores terão as suas contas bloqueadas durante 12 horas. Ao quarto aviso, o bloqueio terá a duração de sete dias, tornando-se permanente ao quinto.

PUBLICIDADE

Nas eleições dos Estados Unidos, a rede social californiana baniu o ex-Presidente Donald Trump, por ofensas repetidas, como incitamento à violência e mensagens sem provas sobre falsificações dos votos.

Assim como Twitter, YouTube e o Facebook anunciaram em outubro regulamentos rigorosos quando as vacinas estavam ainda em ensaios clínicos.

Em publicações de caráter enganoso, os tweets receberam um card com a informação de que “podem conter informações enganadoras sobre as vacinas covid-19”

Segundo a rede social, a apuração inicial será feita pela equipe interna da empresa. No futuro, a ideia é treinar a inteligência artificial da plataforma para ajudar a encontrar tweets sobre informações falsas com mais agilidade e precisão.